Assembleia aprova realização de audiência pública online sobre Mercado Livre em Gravataí

Requerimento do deputado Gabriel Souza (MDB) foi aprovado na Comissão de Economia nesta quarta-feira

24/06/2020

Pavilhão onde seria construído o centro de distribuição da empresa | Foto: Divulgação GLP

A Comissão de Economia da Assembleia Legislativa aprovou na manhã desta quarta-feira, 24 de junho, o requerimento de autoria do deputado Gabriel Souza (MDB) para realização de audiência pública sobre a suspensão da instalação do Centro de Distribuição do Mercado Livre em Gravataí. O pedido foi aprovado por unanimidade, com 11 votos favoráveis.

O autor do requerimento explicou que o objetivo é colocar transparência sobre esse processo para entender o que aconteceu para que o Mercado Livre anunciasse, na última semana, a desistência do empreendimento no Rio Grande do Sul. Segundo a gigante do comércio online, as negociações com o governo gaúcho para desburocratizar a atuação de vendedores de fora do Rio Grande do Sul dentro do Estado não foram bem-sucedidas.

“Este é um assunto de Estado, com interesse público e cabe ao Parlamento esse papel de fiscalizar as ações do Governo. Além disso, caso seja constatado que não é possível reverter este decisão da empresa, precisamos corrigir imediatamente essa falha para que não ocorra novamente”, disse Souza.

Entre os convidados para a audiência estão representantes das secretariais estaduais da Fazenda, e Desenvolvimento Econômico e Turismo; os prefeitos de Gravataí e dos municípios que integram o Consórcio da Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre (Granpal). A data e horário da audiência pública será definida até o final desta quarta-feira.

O empreendimento

Confirmado em novembro de 2019, o centro de distribuição da Mercado Livre de Gravataí seria construído em uma área total de quase 50 mil metros quadrados, com faturamento estimado de R$ 450 milhões nos próximos cinco anos. A empresa, inclusive, já havia feito a seleção para algumas vagas de trabalho. Era estimada a contratação de 500 pessoas para o negócio.