Projeto destaca rapadura no cenário econômico do RS

18/11/2020

A rapadura produzida em Santo Antônio da Patrulha reconhecida como de interesse cultural e turístico no Rio Grande do Sul. Projeto do deputado Gabriel Souza (MDB) avançou nesta terça-feira (17/11) com a aprovação de relatório pela Comissão de Educação.

“O setor emprega cerca de 2 mil pessoas direta e indiretamente, tendo o valor adicionado de ICMS de, aproximadamente, R$ 40 milhões ao ano, por isso sua importância no cenário da economia gaúcha”, destaca Gabriel.

Números do setor

Atualmente, as indústrias localizadas no 2º distrito de Santo Antônio da Patrulha, na localidade de Costa da Miraguaia, comercializam mais de 70 (setenta) produtos derivados da cana-de-açúcar em todo Brasil.

Um pouco da história

Inicialmente, a produção era feita de forma artesanal, com a moagem da cana-de-açúcar em uma moenda de madeira com tração animal.  Depois, o caldo da cana era fervido até se transformar em melado, daí então, colocava-se o melado num tacho sobre uma fornalha e, após ferver, ficava em ponto de rapadura.

Ao esfriar, embrulhava-se em palha de milho. E neste processo, todos os produtores trabalhavam desde o cultivo da cana até a embalagem da rapadura. Com o passar do tempo, a moagem, que era realizada artesanalmente, passou a ser motorizada, através de uma moenda de ferro, para facilitar o trabalho, aumentando assim sua produção. A partir daí, começou-se a comercializar a rapadura no município de Porto Alegre e cidades vizinhas.

As viagens para a venda e entrega da rapadura eram feitas em carros de boi e, às vezes, demorava-se até uma semana para chegar ao destino. Em meio a tantas dificuldades, conquistou-se uma parcela significativa neste segmento de mercado, aliando experiência, qualidade e muito trabalho, passando de geração em geração.

COMPARTILHE: